A arte de Hanna Barbera
Um mundo mágico atrás da tinta


Joseph Barbera

Joseph Roland Barbera, nasceu em 24 de Março de 1911, no baixo lado leste de Nova Iorque. De orígem italiana, ainda pequeno, foi trazido para um setor pobre do Brooklyn. Um menino que nos dias chuvosos se deitava no chão e copiava desenhos e ilustrações das revistas.
Na Escola Católica "Holy Innocents - Sagrado Inocentes" sua habilidades para o desenho foi rapidamente notada e em breve foi designado para traçar cenas religiosas simples no quadro negro.
Depois de 2 anos na Escola Pública 139, na Cortelyou Road no Brooklyn, Barbera passou mais 4 anos na Erasmus Hall High School, onde sua habilidade para escrever foi estimulada.
Seu professor o encorajou a escrever uma estória sobre Cossacos atacando uma vila. Tudo era visto através dos olhos de um soldado ferido. A estória
impressionou de tal forma que o professor o fez ler para a turma.
Por volta desta época começou a cultivar o interesse pelo desenho e a arte dramática, aparecendo numa produção escolar de H.M.S. Pinafore na Academia de Música do Brooklyn. Seu gosto pelo teatro o conduziu a uma eterna devoção pelo palco.
Ele se lembra da emoção de ver seu 1º show na Broadway,
Rodger’s and Hart's A Connecticut Yankee.
"Eu caminhava pelo teatro flutuando. Desde então estive vendo um após o outro, qualquer que fosse". O teatro se tornou então uma de sua paixões e nos anos seguintes escreveu várias peças.


Erasmus High School - 1912
Ao se graduar na Erasmus High School se encontrou desempregado em meio a "Depressão." Aos 16 anos e meio, jovem e graduado, encontrou trabalho em um banco, arquivando devolução de Imposto de Renda a Irving Trust Company, localizada em Wall Street.
Era um emprego precário e nada compensatório. Ele passava seus momentos mais felizes lendo livros tais como "Of Human Bondage" (Da Escravidão Humana) em um parque próximo. Ainda assim era um trabalho numa época difícil de arrumar emprego. Dessa forma pode então continuar a alimentar o sonho que havia começado quando assistiu a um desenho da Disney chamado "The Skeleton Dance" (Dança do Esqueleto) no Rox Theater.
Com uma caneta feroz e uma imaginação ágil, podia desenhar figuras e personagens que talvez um dia ganhassem vida própria.
Trabalhava no banco durante o dia e passava a maior partes de suas noites desenhando cartoons para várias revistas. Uma vez por semana, na hora do almoço, pegava o metrô e ia até a parte superior da cidade para deixar seus cartoons e também para recolher os rejeitados da semana anterior. Em algumas noites ele freqüentava a The Art Student League (Ligas dos Estudantes de Artes) em Manhattan, onde praticava desenho copiando figuras da vida real.
Um dia recebeu um cheque de US$25, por ter vendido alguns de seus cartoons para a Revista Collier’s.


Betty Boop
Começou a fazer cursos na Pratt Institute e deixou o banco para trabalhar pintando e colorindo celulóide para os Studios Fleischer, dos irmãos Max Fleischer e David Fleischer, os quais deram origem Betty Boop e ao Popeye, O marinheiro.
Recebia pagamento de US$ 1 por cada caco ou piada utilizada na película do Popeye. O ambicioso jovem de 19 anos, que queria ser um artista, achava que não teria nenhum futuro financeiro com os
Fleischer e pos isso resolveu sair
da empresa, numa época onde Wall Street inteiro estava atravessando sérios problemas econômicos e nem mesmo o seu antigo trabalho no banco estava disponível.

De repente se encontrou sem trabalho e se imaginou como um artista em um apartamento sombrio em Greenwich Village. Tentou encarar da melhor maneira possível o seu dilema: "Eu sou um homem livre", porém os prognóstico eram negros em 1931 e não tinha nem dinheiro para dar a sua mãe.

O destino intercedeu quando ele encontrou um amigo que o informou sobre um emprego no Van Beuren Studio, uma extensão do Studio Paul Terry. Barbera se aplicou ao emprego e o conquistou. Trabalhando dia após dia ao longo de 6 meses, aprendeu a ser um animador.
Quem lhe deu vários toques sobre o assunto foi um animador chamado Tom Goodson.
Em 1936, a RKO Pictures, principal distribuidora dos produtos da Van Beuren, assinou contrato com Walt Disney para produzir desenhos animados. Van Beuren encontrou-se sem negócios e Barbera sem emprego. O estúdio Walt Disney rapidamente tornou-se monopólio da animação e Barbera sentiu que não havia nenhum outro lugar para ir. Alguns anos antes escreveu uma carta para Walt Disney com um esquete do Mickey Mouse. Disney lhe respondeu com a promessa de um encontro em Nova Iorque, o qual jamais ocorreu para a eterna gratidão de Barbera.


Super Mouse
Visitando um amigo no estúdio de animação de Paul Terry em New Rochele para dizer lhe que estava partindo para se candidatar a um emprego na Disney. Encontrou o próprio Terry, produtor desde o início dos anos 30.

Criou personagens tais como Super Mouse e Faísca e Fumaça. Odiando Walt Disney, porque ele roubou seus melhores animadores, Terry ofereceu um emprego a Barbera afim de impedir que ele caísse nas mãos de seu arqui-inimigo. Barbera aceitou cheio de gratidão e começou a animar e a finalizar os cartoons escritos.

Faísca e Fumaça
Viajando 1 hora meia da sua casa no Brooklyn até o estúdio em New Rochelle.

"Uma coisa importante na vida é aproveitar as oportunidades.
É estar em algum lugar em uma certa hora
e então uma certa coisa acontece. "
Joe Barbera

Texto extraído do livro
The Art of Hanna Barbera
by Ted Sennett
tradução: Rodrigo Palhares

Clique aqui para ouvir o tema de abertura

Todos os eventos, personagens ou semelhantes apresentados nestas páginas são marcas registradas e "copyrighted" pela HB Productions Inc.
Esta página não é afiliada ou patrocinada pela HB Prod. Inc. e apenas visa fazer um homenagem aos desenhos e seus criadores.